...

...

sábado, 11 de julho de 2009

pranto...


Numa triste hora do destino , alma triste chora
juntamente com as nuvens cinza ,
chora lágrimas distantes ...
Que talvez já nem saiba mais do que se tratam...
Mas chora amargamente , tentando sem sucesso calar
seu amargo pranto...
Entre um soluço e outro , entre uma lágrima e outra
Descobre que seu pranto a conforta
Seu pranto desabafa...
Tenta saber o motivo de tantas lágrimas...
De tantos dias , tantas horas a sofrer neste mundo...
Anseia ser uma borboleta
Livre , leve , colorida...
Uma borboleta : que um dia teve a sua vida mudada
Um dia foi lagarta , e hoje voa por aí livremente
Enfeitando , alegrando, trazendo brilho para as flores para o mundo...
Sim teve que passar pela metamorfose para ser pelo mundo lembrada.
Com a cabeça baixa , alma triste chora ainda mais...
Vê seu reflexo nas mansas águas do rio
Lágrimas se misturam a correnteza...
Assim o rio manso e sereno leva , pouco a pouco
tristezas , lembranças , arrependimento...
Ao enxugar uma lágrima e outra,
Simplesmente acorda do transe do choro
e lembra que seus dias de lagarta já eram...
Que pode sim ser borboleta quando quiser, que já é...
Simplesmente sabe que para poder , basta um pouco de querer....
E tudo é possível para aqueles que desejam de coração
sem ferir a ninguém ....

(nanny)

5 comentários:

wallace disse...

a metamorfose é sempre necessária à sobrevivência do dia a dia... bjs e ótimo fim de semana!

PQNA disse...

Hoje a sensibilidade toca minha alma e seu texto toca meu coração...(silencio)... (reflexão)
as minhas lagrimas secaram, e a metamorfose está ocorrendo

parabens pelo seu texto...

Nike disse...

Estou me transformando segundo a segundo, e durante esse processo de metamorfose muitas lágrimas ainda serão derramadas... mas, meus dias de borboleta chegarão em breve, tenho certeza disso!

Parabéns pelo texto!

Beijos amiga Nanny
Ótima semana pra ti!

Paulo Roberto Wovst Leite disse...

Mmmm!
E tudo é possível para aqueles que desejam de coração
sem ferir a ninguém ....
Verdade.

Anônimo disse...

ver o mesmo caminho todo dia com olhos diferentes ,isto é uma dádiva
.lindo texto